Vereadores discutem decreto e alertam comerciantes para pregões

por Deógenes Nogueira publicado 30/03/2021 20h53, última modificação 30/03/2021 20h53
Câmara recomenda a todos os cidadãos que mantenham as medidas protetivas contra o covid-19

Foi realizada nesta Segunda-feira, dia 29 de Março, a sessão ordinária da Câmara Municipal de Barra do Garças, visando o debate de proposições e demandas da população barra-garcense. 

Após muito debate a respeito do decreto estadual de restrições ao funcionamento de comércio, especialmente em horários noturnos, o vereador Jairo Gehm (PRTB) reiterou seu posicionamento contrário à medida, afirmando se tratar de uma ação ineficaz no combate à Covid-19.

O parlamentar realizou uma analogia com a segurança pública, associando o Coronavírus à bandidos perversos que invadem comércios. A solução, na opinião do vereador, é combater a criminalidade, ao invés de fechar as portas dos estabelecimentos, trancando as pessoas em suas casas. Jairo também mencionou o ocorrido com o policial militar que foi alvejado após disparar tiros no Farol da Barra, na cidade de Salvador - BA. 

Especula-se que o referido policial estava se sentindo pressionado a agredir comerciantes que infringissem às determinações estaduais conhecidas como “lockdown” e tenha agido em forma de protesto. 


Na fala do presidente da Câmara Municipal, Pedro Filho (PSD) homenageou algumas recentes vítimas da Covid-19, lembrando que a situação ainda é grave em todo Brasil. 

Também destacou a abertura de pregões para a escolha de serviços essenciais ao funcionamento da Câmara, tais como água e combustível.

O presidente fez um apelo aos comerciantes locais para que se candidatem ao pregão, oferecendo seus serviços para a Câmara, visando o fortalecimento e movimentação do comércio local.

Diante do atual cenário de diminuição dos leitos e alto risco de infecção, a Câmara recomenda a todos os cidadãos que mantenham as medidas protetivas como distanciamento mínimo, uso de máscaras e de álcool em gel, assim como solicita que não aglomerem, para que todos possam unir esforços para o encontrar a saída da situação crítica em que se encontra o país.